Cinegrafia recorrente

Tomo aqui o termo cinegrafia como um conjunto de recursos técnicos e operações conceituais usadas para narrar ou descrever alguma coisa em linguagem cinematográfica. Seria o correspondente ao termo iconografia como é aplicado em relação às imagens fixas e obras tridimensionais na História da Arte. 

 

O exame do conjunto de filmes abordados nesta pesquisa deixou evidentes alguns procedimentos de linguagem fílmica e tópicos temáticos que aparecem com frequência significativa em obras de diferentes épocas e gêneros. São certos movimentos de câmera, composições de quadro, posicionamentos de atores e relações simbólicas estabelecidas entre os personagens e os cenários pós-catástrofe.

 

Esse tipo de recorrência acaba por configurar uma cinegrafia específica dos filmes ambientados em locações arruinadas. Em ensaio sobre o assunto, Lúcia Ramos Monteiro levanta a hipótese de uma "transferência de atmosfera catastrófica" entre Alemanha Ano Zero, de Rossellini, Deserto Vermelho, de Michelangelo Antonioni, e Em Busca da Vida, de Jia Zhang-ke. Ela aponta semelhanças de enquadramento e contrapontos de sentido entre os filmes de Rossellini e Zhang-ke. No seu entender (e na minha tradução), "os personagens humanos vivendo em Fengjie nos anos 2000 compartilham uma frágil condição próxima à de suas contrapartes na Berlim da década de 1940", indicando que "a guerra e o crescimento econômico trazem destruição." 

 

Muitas ilações desse tipo poderiam ser feitas a partir dessa cinegrafia recorrente. Não é este exatamente o meu objetivo aqui, mas passo a comentar e exemplificar visualmente 11 elementos que chamaram minha atenção. A maioria das cenas em movimento estão sem legendas, uma vez que o interesse se concentra no plano das imagens. 

 

1. DO ALTO SE VÊ MAIS

As tomadas aéreas permitem dimensionar rapidamente a extensão da paisagem afetada pela catástrofe. O que antes só era possível obter com o uso de aeronaves agora se banalizou com o emprego de drones.

2. A EXTENSÃO DO OLHAR

Panorâmicas e travellings horizontais e verticais simulam o olhar de um personagem ou de uma instância narradora desencarnada que percorre um quarteirão ou um fachada destruída.

3. IMAGENS EM TRÂNSITO

O deslocamento de um automóvel, um trem, uma bicicleta ou uma embarcação se presta a descortinar, em regime de continuidade, trechos de cidades ou campos destruídos. O veículo pode ser objeto do acompanhamento da câmera ou o próprio suporte que conduz o movimento. Alguns casos enquadram-se no chamado "filme de turismo de desastre".  

4 . CAMINHANTE ENTRE RUÍNAS

Um personagem que caminha (ou corre) entre os escombros possibilita uma visão detalhada do cenário e coloca o ser humano em contato direto com o entorno. Esse tipo de cena costuma ter um valor de clímax dramático e se presta a leituras simbólicas como a descrita no item 6 abaixo.

5. ERRANTES SOLITÁRIOS

A presença de alguém que deambula por um cenário desabitado ou devastado pode sugerir ideias de abandono, solidão, desamparo ou mesmo loucura.

6. DESTROÇOS HUMANOS

É comum encontrarmos composições que ressaltam uma equivalência entre as ruínas materiais e o estado emocional dos personagens. Em alguns casos, uma cena de desmoronamento pode ser diretamente associada ao sentimento de alguém.

7. DIVERSÃO NOS ESCOMBROS

Para as crianças que sobreviveram, o entulho das catástrofes pode se transformar num simulacro de parque de diversões. A inocência é capaz de descobrir o lúdico onde só parece haver destruição. Esse tipo de cena também pode ganhar tinturas sombrias e trágicas, como acontece em Alemanha Ano Zero

8. JANELAS DENTRO DE JANELAS

Rombos em paredes são valorizados como fator dramático e muitas vezes funcionam como janelas dentro do quadro, abrindo-se para outros espaços ou enquadrando determinados focos da ação. Veja a galeria de fotos (passe o cursor para ver os títulos dos filmes na parte inferior): 

Alemanha Ano Zero
Alemanha Ano Zero

press to zoom
Alemanha Ano Zero
Alemanha Ano Zero

press to zoom
100 Dias de Resistência
100 Dias de Resistência

press to zoom
Alemanha Ano Zero
Alemanha Ano Zero

press to zoom
1/9

9. BACKGROUNDS DRAMÁTICOS

Um trecho de ruína, um monte de escombros ou um interior devastado pode constituir o fundo ideal para uma conversa, uma performance ou um portrait. Dessa forma, cena e cenário se coadunam para um efeito potencializado. Veja a galeria de fotos (passe o cursor para ver os títulos dos filmes na parte inferior):

A Batalha de San Pietro
A Batalha de San Pietro

press to zoom
Ilusão Perdida
Ilusão Perdida

press to zoom
A Serpente
A Serpente

press to zoom
A Batalha de San Pietro
A Batalha de San Pietro

press to zoom
1/13

10. A RUÍNA ILUMINADA

Filmagens noturnas em áreas arrasadas requerem iluminação artificial. Em alguns filmes, esse recurso assume um efeito de estetização das ruínas. O cenário se torna teatral, com luzes direcionadas e requintes de realce nos contornos. Veja a galeria de fotos (passe o cursor para ver os títulos dos filmes na parte inferior):

Os Assassinos Estão Entre Nós
Os Assassinos Estão Entre Nós

press to zoom
Perdidos na Tormenta
Perdidos na Tormenta

press to zoom
Orfeu
Orfeu

press to zoom
Os Assassinos Estão Entre Nós
Os Assassinos Estão Entre Nós

press to zoom
1/5

11. AS TRÜMMERFRAUEN

As "mulheres dos escombros" foram um mito alemão de orgulho e resiliência, celebrado em estátuas em várias cidades do país. Quem o contestou foi a historiadora Leonie Treber num livro de 2014. Segundo seus estudos, as mulheres foram uma minoria nos trabalhos de limpeza e, em grande parte, obrigadas a ir para as ruas. Nos filmes do pós-guerra, elas frequentemente aparecem no fundo da cena. Em Ilusão Perdida, porém, a protagonista é uma Trümmerfrau.    

<< Anterior: O caso Chris Marker                                                                                                            Próximo: Conclusões >>

 

Voltar ao Sumário